Lactobacillus rhamnosus, LGG®

– a cepa probiótica mais documentada do mundo

6 Min read

A cepa Lactobacillus rhamnosus, LGG® (a partir de agora somente será usada a marca registrada LGG®), da Chr. Hansen, foi amplamente investigada em estudos científicos em humanos, cujos resultados foram publicados em mais de 250 publicações. Algumas das áreas mais bem estudadas são a saúde digestiva, imunológica e bucal, com benefícios para a saúde observados em bebês, crianças e adultos.

Fato

A verdadeira cepa LGG®, da Chr. Hansen, é a cepa probiótica mais documentada do mundo.

A cepa Lactobacillus rhamnosus, LGG®, da Chr. Hansen 

A cepa LGG® foi isolada de uma amostra de intestino humano em 1985.1
A cepa LGG® tem sido usada em todo o mundo desde 1990 como um ingrediente em alimentos e suplementos alimentícios, sem problemas de segurança conhecidos. A cepa LGG® foi citada em mais de 250 publicações que descrevem estudos científicos em humanos.
A cepa foi estudada em várias áreas da saúde, em recém-nascidos,2 prematuros,3 crianças,4, 5, 6 mulheres grávidas,7, 8 adultos,9 e nos idosos,10 sem problemas de segurança conhecidos.

Fato

A verdadeira cepa LGG®, da Chr. Hansen, é a cepa usada em mais de 75% de todas as publicações de estudo científico que investigam Lactobacillus rhamnosus GG.

The world's most documented
Strain
A cepa probiótica LGG para crianças

A LGG®, da Chr. Hansen, tem sido associada a vários benefícios para a saúde

Em crianças, algumas das áreas da saúde mais pesquisadas com as cepas LGG® são:


Fezes soltas e aguadas

A LGG® foi associada a menos ocorrências2 e episódios mais curtos de fezes soltas e aguadas6, 11, 12 e a uma melhora mais rápida da consistência das fezes.4,12

Problemas de saúde relacionados à hospitalização

A LGG® foi associada a menos problemas do sistema digestivo relacionados à hospitalização 5 e menos ocorrências de desconforto do trato respiratório, que pode aparecer após a hospitalização.5

Desafios imunológicos relacionados com a saúde respiratória

A LGG® foi associada a menos desafios respiratórios,5,13 menos ocorrências de desafios respiratórios que duram mais de três dias,5, 13 e significativamente menos dias com sinais de desconforto respiratório.13

Saúde bucal

Com base em uma avaliação científica e microbiológica, LGG® foi associada a dentes mais saudáveis,14 e a níveis mais baixos de bactérias específicas que contribuem para a saúde bucal deficiente.15

Em adultos, algumas das áreas da saúde mais pesquisadas com a LGG® são:

 
Fezes soltas relacionadas com viagens

A LGG® foi associada a uma redução na ocorrência de fezes soltas que os viajantes costumam ter ao viajar para países, regiões e áreas que apresentam mais chance de exposição a bactérias desconhecidas.9

 
Saúde imunológica

A suplementação probiótica com LGG® foi associada a níveis significativamente mais altos de anticorpos (proteínas naturais integrantes do funcionamento do sistema imunológico), o que sugere suporte à saúde imunológica.16

 
Probióticos LGG para adultos

Segurança

LGG® é segura para consumo humano e recebeu o status de QPS (Qualified Presumption of Safety; Suposição Qualificada de Segurança) na Europa17. Além disso, foi objeto de uma notificação GRAS (Generally Recognized as Safe; Reconhecido em Geral como Seguro) para a FDA (Food and Drug Administration; Administração de Alimentos e Medicamentos) dos EUA,18 sem problemas de segurança.

LGG® é uma marca registrada da Chr. Hansen.

O artigo é fornecido para fins informativos sobre probióticos e não pretende sugerir que qualquer substância mencionada no artigo seja indicada para diagnosticar, curar, mitigar, tratar ou prevenir qualquer doença.
 
As cepas probióticas da Chr. Hansen

Na Chr. Hansen, nossas cepas têm base científica. Todas as nossas cepas probióticas são apoiadas por documentação clínica. Saiba mais sobre os efeitos benéficos das nossas cepas em diferentes áreas de saúde.

Referências

1. Goldin BR, et al. Survival of Lactobacillus species (strain GG) in human gastrointestinal tract. Dig Dis Sci. 1992;37(1):121-8. (PubMed)

2. Arvola T, et al. Prophylactic Lactobacillus GG reduces antibiotic-associated diarrhea in children with respiratory infections: a randomized study. Pediatrics. 1999;104(5):e64. (PubMed)

3. Underwood MA, et al. A randomized placebo-controlled comparison of 2 prebiotic/probiotic combinations in preterm infants: impact on weight gain, intestinal microbiota, and fecal short-chain fatty acids. J Pediatr Gastroenterol Nutr. 2009;48(2):216-25. (PubMed)

4. Vanderhoof JA, et al. Lactobacillus GG in the prevention of antibiotic-associated diarrhea in children. The Journal of Pediatrics. 1999;135(5):564-8. (PubMed)

5. Hojsak I, et al. Lactobacillus GG in the prevention of nosocomial gastrointestinal and respiratory tract infections. Pediatrics. 2010;125(5):e1171-7. (PubMed)

6. Isolauri E, et al. A human Lactobacillus strain (Lactobacillus casei sp strain GG) promotes recovery from acute diarrhea in children. Pediatrics. 1991;88(1):90-7. (PubMed)

7. Gueimonde M, et al. Effect of maternal consumption of lactobacillus GG on transfer and establishment of fecal bifidobacterial microbiota in neonates. J Pediatr Gastroenterol Nutr. 2006;42(2):166-70. (PubMed)

8. Lahtinen SJ, et al. Prenatal probiotic administration can influence Bifidobacterium microbiota development in infants at high risk of allergy. J Allergy Clin Immunol. 2009;123(2):499-501. (PubMed)

9. Hilton E, et al. Efficacy of Lactobacillus GG as a Diarrheal Preventive in Travelers. J Travel Med. 1997;4(1):41-3. (PubMed)

10. Hatakka K, et al. Probiotics reduce the prevalence of oral candida in the elderly--a randomized controlled trial. J Dent Res. 2007;86(2):125-30. (PubMed)

11. Sindhu KNC, et al. Immune response and intestinal permeability in children with acute gastroenteritis treated with Lactobacillus rhamnosus GG: a randomized, double-blind, placebo-controlled trial. Clinical infectious diseases : an official publication of the Infectious Diseases Society of America. 2014;58(8):1107-15. (PubMed)

12. Aggarwal S, et al. Lactobacillus GG for treatment of acute childhood diarrhoea: an open labelled, randomized controlled trial. Indian J Med Res. 2014;139(3):379-85. (PubMed)

13. Hojsak I, et al. Lactobacillus GG in the prevention of gastrointestinal and respiratory tract infections in children who attend day care centers: a randomized, double-blind, placebo-controlled trial. Clin Nutr. 2010;29(3):312-6. (PubMed)

14. Nase L, et al. Effect of long-term consumption of a probiotic bacterium, Lactobacillus rhamnosus GG, in milk on dental caries and caries risk in children. Caries Res. 2001;35(6):412-20. (PubMed)

15. Glavina D, et al. Effect of LGG yoghurt on Streptococcus mutans and Lactobacillus spp. salivary counts in children. Coll Antropol. 2012;36(1):129-32. (PubMed)

16. Davidson LE, et al. Lactobacillus GG as an immune adjuvant for live-attenuated influenza vaccine in healthy adults: a randomized double-blind placebo-controlled trial. Eur J Clin Nutr. 2011;65(4):501-7. (PubMed)

7. EFSA Panel on Biological Hazards (BIOHAZ). Statement on the update of the list of QPS-recommended biological agents intentionally added to food or feed as notified to EFSA 3: Suitability of taxonomic units notified to EFSA until September 2015. EFSA Journal. 2015;13:4331.

18. Food and Drug Administration. GRAS Notice Inventory > Agency Response Letter. GRAS Notice No GRN 000049. 2002.

O que são

probióticos?

Saiba mais sobre o que são probióticos e como eles estão associados a benefícios para a saúde

O que

procurar

Veja dicas importantes sobre como escolher um produto probiótico de alta qualidade

Nossas
cepas

Saiba mais sobre algumas das cepas probióticas mais documentadas do mundo e seus diversos benefícios para a saúde

Compartilhe